TRG Reviews: THOR

THOR!!!!!! É com esse grito de guerra que na noite de 28 de abril fui assistir a pré-estréia de Thor 3D no cinema do Shopping Total. Uma de minhas mãos estava enlaçada a da minha namorada e a outra segurava uma revistinha da editora Abril do Thor. Tinha ouvido burburinhos que o filme era bom, mas evitei ler reviews alheios para não estragar a graça daquela sessão.  Sinceramente eu estava apreensivo quanto ao filme porque eliminando as exceções filmes de heróis tendem a ser sofriveis, além do desrespeito caracteristico aos fãs com mudanças dessa transição quadrinhos/filmes. Eramos todos convidados da Band, nenhum dinheiro foi gasto com exceção do vil metal aplicado nos combos pipoca/refri, caros como de costume. Pré-estréia é aquele velho chavão de fotos e discursos, mas ignorando esse fato que fez o filme começar 22h10 ao invés de 22h, vale comentar o ambiente encontrado nessa situação. Notei que tinha alguns fãs de quadrinhos, mas também tinha aqueles que mal sabiam direito o que iam assistir. Me chamou atenção um trio atrás da gente que comentavam de alguns filmes Marvel como Homem-Aranha e Homem de Ferro tecendo elogios para eles. Não teve como evitar se falar de HA3 e sua fase emo, eu sinceramente acho HA um filme para se ver numa sessão da Tarde e nada mais. Mas foi legal ver o povo debatendo o universo Marvel, sendo Marveletes de plantão ou apenas gostando de filmes do estilo. Foi-se há muito a época que apenas se tinha notícia do universo DC fazendo sucesso nas telinhas. Não tem como comentar que tinha um casal a nossa frente que creio tenham vindo direto de algum jogo (Arrisco do Inter) que estavam cheirando forte a bebida (O cara… Ela não) e deu pra ver que mal sabiam que filme iam ver. Deixando isso para trás e vestindo os óculos 3D podemos falar acerca do filme, pois a luz apagou e pré-estréia não tem trailer (uhuu!!)

O Filme

O filme começa no Novo México com uma cena introduzindo os personagens Jane Foster (Natália Portman – Uma física empenhada em fenomenos climáticos), sua irmã (Kat Dennings , Embuída do humor escrachado do filme) e um professor amigo de seu subentendido pai (Stellan Skarsgard, que serve como conselheiro e provavelmente deve voltar nos Vingadores). A cena inicial serve de contorno para contar a chegada de Thor a Midgard, a Terra. Porém essa parte passa batida e lembra mais o filme Twister com a Helen Hunt do que algum filme da Marvel. Aparece uma introdução também para a história dos asgardianos contada pelo próprio Odin aos seus dois filhos ainda crianças.  Então somos teletransportado para Asgard atual onde há de se elogiar o trabalho cenográfico e os efeitos visuais que diga-se de passagem são fenomenais. Ressalto o efeito da camêra que começa em baixo d’água e sobe até alcançar o castelo de Odin onde acontece a festa de coroação de Thor.
Chris Hemsworth encarna muito bem o papel do deus do trovão, porém nessas cenas iniciais não convence muito não. Não sei em que ordem foram gravadas as cenas, mas senti firmeza nele empunhando o Mjolnir a partir do momento em que ele pisa em Jotunheim, o reino de gelo. Na coroação do loirão bombado por Odin (Antony Hopkins que dispensa comentários de como fez bem o papel) alguns gigantes de gelo invadem o castelo de Odin atrás de uma relíquia de seu povo responsável por muita destruição no passado. Planos frustrados pelo segurança-mor de Asgard Thor emputece e resolve tirar satisfação mesmo indo contra o conselho panos-quentes de seu pai. E é aí que o filme começa pra valer e traz a cena que para mim é a melhor do filme, a batalha na terra dos gigantes de gelo. Querendo dar uma lição nos ousados gigantes que chegam a chamá-lo de “boneca” Thor parte para a briga com seus inseparáveis e muito leais amigos. Algo que eu comentei que teria que ter no filme antes de entrar na sala de exibição com minha garota, o orgulho de Thor, eu consegui enxergar nesse momento e não em cenas anteriores onde ele apenas chorava como um bebê que queria vingança. Sem se importar com o perigo que levava para seus amigos e seu reino alimentando a raiva dos homens de gelo Thor acertou em cheio o líder deles com seu martelo levando a melhor cena do filme. Na batalha Thor deixa claro seu orgulho ao então falar com uma pausa perfeita: Next? A batalha em terras geladas é muito boa e dispensa comentários além daquele de incentivo a assistir o filme, vale porém mencionar a parte do Thor girando seu martelo no chão fazendo voar esquifes de gelo por tudo que é parte e claro, a parte que Thor parte para o céu e volta… Ah, assista… é melhor. 😉 (Alias gostei do efeito do monstro correndo por baixo do gelo). Odin aparece para acabar com a desordem instaurada por seu filho e por seu comportamento rebelde e orgulhoso banindo-o de Asgard para a Terra conjurando a velha frase conhecida pelos marveletes de que quem for digno e empunhar o martelo, blablablá, terá o poder de Thor, arremessando o Mjolnir junto a Midgard.
Caindo na Terra o asgardiano é atropelado pela jovem Foster com quem desenvolve uma amizade embora as cenas dela se traduzem em fazer caretas taradas a cada vez que olha para o loiro musculoso. As cenas dos dois são bonitas, mas de onde nasceu tamanho interesse mútuo fica um pouco vago, abstrato. Nisso entra a SHIELD investigando o martelo, não antes de Stan Lee tentar puxá-lo – grande arroz de festa, huh? – e roubando os dados de pesquisa da cientista que começa a achar Thor um cara interessante. Thor aprende com seus novos amigos a humildade (Embora não seja tão explicito também como) e se preocupar com seus atos e como isso afetará os demais. Loki me deixou um pouco na dúvida se gostei ou não dele, o papel é muito bem interpretado, mas há algo faltando… Esse que fala a Thor que seu pai morreu e esse acredita na maior pureza, como se não estivesse acostumado com o sono de Odin. Aliás parabéns para o diretor que não rendeu as origens do quadrinho para o gosto ou entendimento popular mantendo-as e tentando fazer com que o público não leitor pudesse aos poucos entender essas partes mais obscuras a eles. Dr. Blake, seu alter-ego, só é citado como um ex-namorado que não se relacionava bem de Foster, embora alguns possam apontar isso como uma mudança radical gostei da postura do Kenneth Branagh e de sua coragem em tirá-lo da história centrando-a em Thor que em momento nenhum esquece quem é. Sinceramente não gosto muito do lado Blake se contraposto ao Thor e suas aventuras. A SHIELD tem alguns momentos legais como “tentando” impedir Thor de entrar no cerco ao seu martelo, o qual seguiu bem a risca os quadrinhos, pois Thor sem seus poderes equivale a um Capitão América. Fora essa cena a SHIELD praticamente serve para fazer comentários engraçados do Stark. Os fiéis e valorosos amigos de Thor partem rumo a Terra para buscá-lo de volta a Asgard e confrontar seu irmão psicótico Loki, que descobre ser adotado. Thor então passa pela prova de fogo ao dar sua vida pelos mortais a sua volta recuperando seu martelo Mjolnir e seus poderes. O resto é melhor você acompanhar no cinema para não perder a graça…

Considerações Finais:

Thor é um filme que vale muito a pena, segue a linha de bons filmes como Homem-de-Ferro e não cai em esteréotipos como o filme dos X-mens. Deixa a desejar um pouco por ter partes engraçadas demais e pouca batalhas. Todo primeiro filme tem um pouco disso, eu sei, mas a vontade era de ver mais um pouco Thor voando pelos céus e chutando alguns traseiros gelados a mais. Nem mesmo a cena final tem uma batalha em si onde (Tentar não estragar o final, gente) lembrou muito o desfecho de Superman Returns onde ele teve que fazer uma força colossal pra destruir um (O que era mesmo? Tanto tempo) enorme pedaço de rocha. Mas tudo bem, nada disso estraga o grande filme que Thor é e até porque as piadas são boas (Tá, algumas nem tanto) e leva a platéia abaixo em risadas, isso atrai o público descompromissado, mas para os fãs (Pelo menos eu acho) foi um pouquinho demais a patetada. Com um belo elenco (Não citei Heimdal, mas muito bem interpretado com sua voz impostada e sua armadura a la Aldebaran de touro), uma bela produção e uma bela direção do Kenneth Branagh (Tanto faz ser shakesperiano ou não, pô) Thor vale cada centavo investido. Na minha opinião o melhor filme da marvel ainda mais se pensarmos que é o primeiro, aquele que conta origens e blablablá. Ah, só o 3D que não impressiona, funciona efetivamente em poucas cenas como a de neve caindo ou para dar aquele efeito de primeira pessoa com os outros no fundo. Falando no diretor, ele abusou algumas cenas de velhos chavões, mas ele conseguiu fazer ficarem bons como quando Thor sem poder algum vai enfrentar o robô gigante cujo nome não lembro e aparece seus amigos lá atrás só olhando. Foi muito histórinha de super-herói, mas hey, é isso mesmo, não?
Assista Thor e tire suas conclusões. Vale ficar até o fim para a já habitual cena bônus. Quando assisti pela segunda vez cortaram ela, não deixem que o façam, vale a pena inclusive pela trilha do Foo Fighters, Walk.
Eras isso, aguardo com ansiosidade os Vingadores, mas confesso que me empolguei e to de olho já é na sequencia desse filmão. Que venha Thor 2!!

Ps. Sif muito mais linda que Jane Foster. =x

Toma Rumo Guri!!

Bônus Track:

Para você que esperou ansiosamente os créditos u.u trago-vos algumas coisas a mais:

Detalhe: Vejam vocês como os cinemas tão nem aí para os filmes que exibem, além de alguns shoppings tipo o Strip não passarem a cena final ainda nem se dão o trabalho de pesquisar:

Sinopse Arcoplex:

Thor (Chris Hemsworth) é um poderoso guerreiro cujas ações imprudentes faz reacender uma guerra antiga. Thor é enviado à Terra por seu pai Odin (Anthony Hopkins) e é forçado a viver entre os humanos. Um jovem bela cientista, Jane Foster (Natalie Portman), tem um efeito profundo sobre Thor, já que ela finalmente se torna seu primeiro amor. É aqui na Terra que Thor aprende o que é preciso para ser um verdadeiro herói, quando o vilão mais perigoso de seu mundo envia as forças mais sombrias de Asgard para invadir a Terra.
Sinopse Arco-íris:
Asgard. Após se desentender com Odin (Anthony Hopkins), Thor (Chris Hemsworth) é enviado para a Terra. Desmemoriado, ele leva uma vida como se fosse um homem comum. Logo ele conhece Jane Foster (Natalie Portman), por quem se apaixona. Só que a morte de Odin faz com que o reino de Asgard fique nas mãos de Loki (Tom Hiddleston), o irmão de Thor. Querendo eliminar o irmão, uma ameaça constante ao seu poder, Loki elabora um plano para atacá-lo na Terra.

WTF?!

Posters:

Vídeo de entrevista do @mausaldanha com quem esteve na pré-estréia, inclusive quem vos escreve:

Foto infame minha segurando o Mjolnir há alguns anos atrás, mostrando que sou digno para empunhá-lo. u.u

Eras isso… Só faltou dizer que amo ter uma namorada nerdizinha, que aliás gostou muito do filme. =)