Modo History

Olá pessoal,

Todo game tem uma história profunda (deveria) de fundo. Eis a minha:

Um breve histórico da minha vida pregressa de criador de games:

Lá pela minha infância lembro-me de ter jogado com um amigo um jogo em que tu eras um homem das caverna e podia num adventure cooperativo, ao mesmo tempo que descia  o pau nos dinossauros, desenvolver sua vida. Sim, você tinha sua própria casa (Uma lona na verdade) onde podia voltar no fim das missões, um lugar pra chamar de lar, sabecumé né? podia participar de um jogo de sorte nas entrefases e receber uma esposa (No meu caso lembro que fiquei com uma gordinha enquanto meu amigo com a esbelta mulher-da-caverna, motivo de risos!) e mais ainda, mais pra frente quando você volta depois de ter quebrado a cara de um Estegossauro você descobre que virou papai!! Puxa, nem existia teste de DNA no Paleozóico!
Mas note que toda essa interatividade dava um ar todo diferencial para o jogo, algo que o tornou único na minha mente, um game singular. Acho que era Joe e Mac (Posso confirmar isso…), e os programadores desse jogo de Snes souberam captar a atenção dos jogadores dando um diferencial, matando aquele “Ei, bem que podiam ter feito isso…”
Aliás foi o que eu e meu amigo sempre teciamos de comentários sobre algum game. Poxa, bem que aquele jogo de futiba podia ter uma lista de artilheiros, né? Daí inventavam e nós partíamos pra outro foco: “Editar e criar jogadores e times seria muito tri, né?…” e por aí ia… Lembro que certa vez mencionamos que em um jogo de futebol poderia ter um dia de folga pros jogadores onde você podia comprar coisas com o salário que eles ganhassem como carros e outras trambicagens, mas isso já era muito querer e até fugindo do pertinente…
Esse lado negro da força de querer que o game não seguisse tal caminho, mas sim outro que me motivou a primeira instância de criar meus próprios jogos digitais.
Retrocedendo mais ainda, bem pequeno eu lembro de meu amigo e eu jogarmos nossos próprios jogos, tinhamos um tabuleiro gigante e desenhavamos os personagens. No caso de cavaleiros eram centenas de papel recortado, cada personagem tinha suas versões sem armadura e com, com exceção das mulheres, claro. O esquema da armadura e golpe especial foi arquetipado pelo meu amigo, outra mecânica de jogo como o de Futebol e de boxe foi criado e desenvolvido por mim. Não ia citar esses jogos até porque nem lembrava, mas agora que lembrei fiquei nostalgico e digo com propriedade: Se acho o jogo de papel de futebol que fiz, eu ainda hoje sento e jogo fazendo varios campeonatos e tentando roubar para o Brasil vencer, haha. Mas o dado é implacável…
O game mais perfeito que se possa fazer é aquele em que você possa por o jogador a se sentir realmente no papel do herói ou vilão que ele passa a controlar. Quanto maior a experiência vivida, melhor.
Isso que agrada em jogos como GTA, Chrono Trigger, etc… Você tem uma total liberdade de fazer as coisas a seu jeito. Lembro de jogar GTA 1, aquele onde a visão ainda era aérea… E tanto naqueles tempos como no San Andreas eu continuo fazendo a mesma coisa: Jogo pra me divertir dando banda pela cidade, arrumando confusões, pegando um carro e dando um passeio pelas montanhas pra desanuviar… É tão legal!

Tá, partindo daí e voltando pra cá, tive algumas breves experiências mais como jogador, é verdade, mas também tentei algo na área do entertenimento. Desde que comprei meu primeiro pc tinha o sonho de poder ter o Macromedia Flash e fazer meus desenhos animados. Fiz algumas animações toscas e divertidas. Mas os jogos não vieram ali. Mexendo no Excel descobri uma linguagem que vinha alocada no software: VBA. Meu primeiro jogo foi Dragonball, todo elaborado e montado no VBA e te digo que ficou legalzinho pra ferramenta. Nunca terminei ele com um probleminha de arrays… Mas um dia quem sabe eu termino…
Porque daí aprendi C++, nada muito profundo, mas pretendia fazer um joguinho em console do Homem-Aranha modo texto, mas não rolou e não gostei. Aí veio a idéia de fazê-lo no VBA e novamente estava ficando bacanudo, mas chegou o C# e o XNA. Certamente teria tido meus estudos aprofundados nessa linguagem voltando-a para os videogames, mas descobri o Action Script do Flash e me apaixonei pela linguagem. Junto com o fato de falarem por aí que o C# apresentava produto-final muito pesado…
Enfim, no Action Script posso utilizar a internet como difusora dos meus conceitos de games visto que posso seduzir o público sem um download, apenas um esperar carregar… Enfim, até agora e do que eu lembre esses foram os temas pertinentes mais pertos do desenvolvimento de jogos que eu tive… Até agora!
Vale ressaltar que nunca tive uma aula de VBA, AS2 ou XNA. Aprendi meio que auto-didata buscando muita informação em tutoriais e metendo a cara nos testes que me propunha… Talvez por isso que eu faça muitas vezes errado e demore tanto… Mas é um caminho de aprendizado!

Game Over! Continue? Insert the Coin!