Redação da Ufrgs (minha)

Vocês conhecem àquela do papagaio? Por décadas era assim que as anedotas nasciam. Despidas de qualquer senso crítico e despreocupadas por sua essência em trazer algum tipo de reflexão incutida em suas carcaças percorriam salões, bares, clubes e até mesmo recônditos inocentes e pueris como escolas trazendo o efeito inequívoco de fazer rir. Hoje não, o simples ato de contrair o estômago alheio apenas com palavras e gracejos não parece mais satisfazer os cômicos de nossa geração. É preciso causar.
Enxergo da seguinte maneira: O humor existe para nos esconder das agruras cotidianas, ele serve para nos propiciar uma fuga do estresse e para desanuviar nosso mal-humor oriundo de fábrica nessa maternidade de loucos que é a cidade grande. Um homem vestido de mulher jogando uma torta de morango na face de seu chefe é algo totalmente estupido, mas é uma ação que vai mexer com nossa sensibilidade e contradizer nossas regras internas de algo normal – Não se arremessa comida em patrões – nos induzindo a rir do absurdo, aliviando as tensões; ainda distraindo nossa mente sempre entulhada. Se houver uma ou outra lição de vida, tanto melhor. Porém é necessário salientar que a ferramenta do humorista é o humor. Como não somos animais rasos temos inúmeras aptidões e maneiras de pensar e por isso é até aceitável que temperemos nossas atividades com um toque disso ou daquilo, mas não é correto deixar o pote de condimento pessoal vazar; pode acabar ficando intragável. O papel do legislador, por exemplo, é fazer leis. Que confusão teríamos se ele resolvesse escrever sonetos em tempo integral. “Cada macaco no seu galho”, como dizem por aí. Preciso que me façam rir. Mais que isso, quero gargalhar. Moral eu aprendo em casa, pode deixar.
A comédia brasileira tem outro problema para se preocupar: O politicamente correto. Os humoristas estão sendo cercados pela sociedade que não sabe mais brincar. Besteira! Palavras ganham valor para quem as animam, se deixarmos ela apenas no campo do jocoso desaparecerão como brisa. Palavras fazem guerras, lembrem bem disso.
Então fica a lição aprendida: Piadistas façam rir, políticos leis, famílias ensinem e a sociedade, por favor, a não se levar tão a sério. Invoco um político que se atrapalhou em seu papel: “Relaxa e goza”. Viu como é fácil se perder? Agora me deixe terminar àquela do periquito…
Essa foi minha redação na UFRGS em 2013, sobre o tema “O papel e os limites do humor na sociedade”. Transcrevi o rascunho, espero que tire uma boa nota. Depois eu conto.

Pai realiza o sonho e garoto vai parar em Dragonball Z

Rasdael. Sabe quem é? Pois é, eu também não. É um garoto de 9 anos que tem um pai muito nerd que resolveu dar de presente para seu rebento uma animação onde Goku e Bulma (em desenho e voz, visto que o chapa conseguiu que os dubladores oficiais brasileiros dessem vida a homenagem) dão um toque que a família do moleque é tudo de bom. E como se não fosse o bastante, ele e o pai foram transportados para o mundo Z em uma abertura “daora a vida loka mano”. Se para uns marmanjos como “nozes”  já dá um nó na garganta, imagina para um garoto de 9 anos onde a fantasia ainda vigora? Ah, chega de papo e aperta o play.

Parabéns para o garoto e para o Robson que zerou a vida. Pelo menos para seu filho, que no caso, é quem importa.

TOMA RUMO GURI!!