Cobertura TRG – 20ª edição do AnimeXtreme



AVISO: ESSE É O REVIEW DO EVENTO – A PARTE ESCRITA -, MAS DOMINGO QUE VEM TEM O PANKEKA SHOW QUE VAI TRAZER A COBERTURA COMPLETA DO ANIMEXTREME EM VÍDEO COM TODA A COBERTURA QUE FIZEMOS. VOCÊ PODE ATÉ GOSTAR DESSE REVIEW, MAS VOLTE DOMINGO QUE VEM PARA ASSISTIR TUDO QUE ROLOU COM ENTREVISTAS DOS COSPLAYS, ATRAÇÕES E DOS STANDS. NÃO PERDE!!

E aaaaaaaaaí? Tudo numa nice? Falar numa nice é tão anos 80 quanto assistir Pole Position, sei lá, mas eu gosto. =Pp
Então, nesse final de semana aconteceu a 20ª edição do AnimeXtreme. Teve pontos altos e baixos, e sem delongas vou fazer uma análise completa sobre como foi. Parodiando o Zangado, que estava lá, desliga esse site de entretenimento adulto, por favor lave as mãos, e vem com o tio:

LOCAL

Mais uma vez o maior evento multi-temático foi realizado na FIERGS. Pra você que não é das querências nerd-pampescas, é um enorme e portentoso salão gigantesco onde acontecem muitos eventos, como foi o show dos meus queridos do Aerosmith. Apesar do tamanho colossal ele é localizado no cu do Megaman (pra manter a temática geek). É um lugar onde pouquíssimos ônibus passam e está quase no fim de Poa. Foi um parto chegar, mas foi fichinha perto do que é sair de lá. Mesmo assim, releva-se. Havia 2 filas enormes e como fui de imprensa perguntei qual delas deveria entrar. Ninguém sabia. Entrei em qualquer uma e aguardei. No fim não precisava, mas ninguém me avisou mesmo…
Olhando do lado de dentro é elogiável a escolha pelo ponto de vista de número de pessoas. Acho que é o mais perto que pode-se chegar de uma San Diego Comic-Con, pois é pessoas trombando a todo momento nas áreas mais muvucadas. Mas isso é bom, quanto mais pessoas mais heterogêneo e dinâmico fica o evento, embora… Bom, depois eu falo. 
As bancas de compras estavam bem localizadas e o número aumentou, já os estandes perderam muito do seu valor. Pois antes o que eram salas viraram quiosques, era difícil poder criar uma agenda específica com algum tipo de atividade com todo barulho das pessoas passando e por ser tão aberto. Não havia uma divisória limitante, alguns espaços eram invadidos por passantes. Uma pena, nem rolou o habitual quiz dos remanescentes da Liga Comics. Espero que isso melhore.





CONTEÚDO

Pois então. Havia pessoas saindo pelo ladrão, mas não havia muito o que se fazer. Bem, havia as atrações, essas ótimas e merecem um tópico a parte, como disse as salas viraram pequenos estandes e havia a sala VIP. Apesar de parecer tentadora a sala VIP era apenas um lugar mais sossegado. Havia mesas decoradas, período de fotos separadas do público geral e alguns lanchinhos servidos por umas cosplays que fazem parte de uma mini empresa de chá temático, pelo que entendi. Era tudo uma gracinha na tal sala especial, mas tirando isso também não era lotada de atrações, tanto que muitos fiavam lá atirados no chão ou sentadinhos e comportados. Mesmo assim hoje em dia é uma opção pagar por um lugar mais tranquilo.Um elogio devido vai para a galera de um estande (Isso, Saul, usa modos diferentes para uma mesma palavra…) que oferecia oportunidade para pessoas atirarem com um arco e flecha em uma bombona de água. Isso lembra na Comic-con RS quando teve um stand (de novo?) onde era possível jogar beisebol. Bom, como disse as atrações estavam fantásticas, melhores do que qualquer uma edição que já houve. Os organizadores estão de parabéns por isso, pois ouviram a voz do povo. Ninguém mais aguentava ver PC Siqueira. Sério. Não por ser Vlogger e o escambal, mas sim porque não agregava nada na experiência pop da galera. Já dessa vez abriram uma enquete (E embora não tenha seguido todas em ordem) trouxeram Jovem Nerd, Zangado Games, Galo Frito, Nostalgia, dublador Guilherme Briggs e até o Away ex-Hermes e Renato. Tirando o Away são criaturas com um carisma alto e diferentes dos habituais convidados, pois produzem um conteúdo rico em cultura e entretenimento. Enfim, um grande acerto e espero para ver como pretendem se superar no próximo. Mas fica a sugestão de criarem mais possibilidades de atrações paralelas e criativas sem precisar exatamente terceirizar.

Mas há de se dizer também que muitas pessoas ficaram entediadas em certos momentos. Meu irmão que foi no sábado desistiu de ir ao domingo. Talvez por ele estar ficando velho, é provável, mas fato é que muito do evento era ver guris correndo afobados e meninas com plaquinhas, algo mais pro público infanto-juvenil. Nada de mais, mas pareceu bem focado nisso, tomado por completo, quase, na verdade. Oi? Kkkkkkkk.



Eu sinceramente estava a trabalho e achei o clima um pouco diferente das habituais coberturas. Estava muito difícil conseguir falar com as atrações, embora em alguns casos como o Zangado o empresário nos autorizou entrevistá-lo lá fora com calma e paciência, embora eu tenha esquecido o que ia perguntar, haha, mas muitas atrações estavamos tão preocupados em não deixá-las passar em branco que pensavamos mais como conseguir falar com elas. Foi desgastante, não consegui me divertir tanto assim embora tenha sido uma satisfação o êxito. Não, não falei Egito. ¬¬



COSPLAYS

Pra que falar mais coisas? Sei que vocês querem é IBAGENS, me dá a porra da IBAGEM. Okay, se é isso que vocês querem toma aííííííííííí!! Eita, rsrs.

   

Bom, tinha a intenção de unir os blogs de cultura-pop criadores de conteúdo da região e fazer uma selfie com a participação do JN, mas acabou não rolando. Enfim, ficam algumas fotos bacanas que marcaram a participação do TRG no evento, com direito a selfies com staffs (que foram muito legais conosco) e umas fotos do pessoal indo embora. Bom eras isso…

e TOMA RUMO GURI!!
Ah, não esqueçam de voltar domingo, provavelmente, quando postarei o videoscast do canal sobre o evento. ;]

Cobertura TRG – Comic-Con RS #03

Ps. Esse é o review do evento, o vídeo cast gravado na Comic-Con RS com as entrevistas e tudo mais será veiculado domingo que vem, então não esqueça de voltar 😛

Grandes poderes trazem grandes responsabilidades. Sim, quadrinhos!! Haha, eu sempre fico muito feliz quando estou cobrindo um evento onde me sinto em casa. Embora não acompanhe mais o que acontece no mundo da banda desenhada em época de Paninni (ainda bem, eu acho…) sempre dou valor a feiras que conseguem aproximar os fãs de cultura-pop e saem um pouco do clichê de eventos de animes, cujos eventos já tem p[ublico bem consolidado com nomes como a AFAR por aqui no RS.






Antes uma história.

Eu meti o pau. Sim, na Comic-Con RS #01 eu desci a lenha e desci a porrada argumentativa nos caras como se fosse a fase bônus de destruir o carro em Street Fighter, sem dar aquela chance de “Pô, é um primeiro evento disso”. Reconheço meu erro, mas também não desminto o que foi dito lá atrás: Era um evento de anime fantasiado de outra coisa, e sendo visto assim não era nada comparado com o AnimeXtreme. O que volto atrás é na força pungente que utilizei. Enfim, reconheço meu erro. E que surpresa foi quando o dono da bola de capotão, o dono do evento, Émerson (cujo grandes embates tive na segunda edição quando fui barrado) veio até mim e nos dois batemos um papo bem legal. Deixamos para trás qualquer desavença e falamos sobre o presente e o futuro. Ele estava interessado em saber se agora podia chamar de Comic-Con e eu disse que sim. Sei que ainda falta bastante para ser um evento referencial de Brasil, mas o nome estpa bem representado e cresceu muito em apenas um que não estive presente. Creio que a pergunta dele reflete um pouco do interesse de ouvir os fãs e o público alvo embora em um evento desses o público seja bem diversificado (e graças a Deus por isso). Ainda conversei com ele obre o interesse de apoiar o evento com força de patrocínio, pois tenho muito interesse que muitas atrações ainda maiores possam ser trazidas para o solo gaúcho. Vamos ver o que vem pela frente… Grandes poderes, grandes responsabilidades, okay.

Domingo.

Cheguei ao colégio São Pedro com minha máquina Cannon já em mãos preparados para fazer várias fotos e um Pankeka Show (Nosso velho vídeocast) de primeira. Minha assistente falhou e tive a hercúlea missão de fazer tudo sozinho o que dificultou muito em trazer o conteúdo exato que eu tinha arquitetado em minha cachola. Seja como for lá estive eu visitando todos os estandes e tirei várias fotos deles que em geral não mudam muito, o que diferencia de um ano para o outro são as interações. Porém algo chato aconteceu: Me passei e comecei a gravar os vídeos das entrevistas em Full HD e quando dei por mim já não tinha espaço nenhum. Tanto que devo desculpas ao Espantalho e suas amigas Hera e Harlequina que interrompi a conversa deles meio sem explicação. Total amadorismo, eu sei. Seja como for, esses três roubaram a cena… Mas falo disso depois…

Estandes. 

Senti falta da Liga Comics. No evento em que era para eles brilharem, eles nem sequer deram as caras. Aliás, deram sim, mas como público a paisana. Enfim, teve os já habituais locais de interação de Star Wars, Harry Potter, RPG… (ainda bem que o pessoal de Crepusculo se tocou, embora seria legal fazer um de 50 tons… Kkkkk) e algumas surpresas boas como a salinha do Dr. Who. Who? Ah, piada infame, huhu. As salas pareciam mais vazias, mas o evento em si não parecia tão cheio o que já mostra um público menos disperso e mais diversificado em gostos pop como literatura, games e os próprios quadrinhos. Não vi Narutards, bom sinal. As velhas barraquinhas de comércio estavam lá, mas dessa vez estavam abarrotadas de comics, além de camisetas pops, fanzines e muitos livros. A única coisa que comprei foi um livro do Ray Bradbury, além de um mousepad da Wonder-Woman. E era disso que eu falava, não que anime seja ruim, amo a J-culture, mas sentia falta de um evento que reunísse os outros mundos nerds que tanto amamos. E foi muito divertido as interações que tive.

 

Atrações.

Por estar sozinho e com o conteúdo limitado apaguei muitas fotos e não consegui falar com algumas pessoas. Mas foi muito legal a palestra sobre Literatura Fantástica, pena que vi um pedaço ínfimo dela, ter um palco secundário também foi bem bacana o que dava oportunidade a mais de conteúdo para a galera discutir, também o buchicho sobre Laços, uma graphic novel da Turma da Mônica realmente de tirar o chapéu, tanto por roteiro quanto por traço, também as homenagens como a principal feita para o Renato Canini que foi a pessoa que recebeu a missão de fazer os quadrinhos do Zé Carioca em terra tupiniquins e que conseguiu fazer do título uma das melhores apostas da Disney no Brasil. Tanto que eu passei minha infância lendo ele e lembro vividamente da história do “A Piada sem Sal” satirizando “A Piada Mortal”, onde ao invés do Batman tínhamos o papagaio brasileiro como o Morcego Verde, huhu. E a Rosinha, uma das poucas personagens animal que eu achava sensual… Erm… Próxima pauta, please?

Ps; Não consegui um autógrafo dele porque não sabia como era a cara dele, haha. Aliás conversei com o cara que faz as tiras do “Um Sábado qualquer” e falamos sobre a internet ter disso de a obra ser mais famosa que o criador, aliás nem sei se ele concordou comigo, pela carinha dele. Mas é verdade, muita gente boa fica anônimo por trás de computadores em rede, tanto que pouca gente foi lá falar com ele nos momentos que eu estive por ali… Outro foi o Fábio Yabu que é um cara super simples e até passa por desconhecido do público geral, mas que me divertiu as pencas no iníco da internet (para mim) lá por 1998 onde eu assistia Combo Rangers com uma placa de rede US Robotic 33600 que sabe se lá porque só alcançava 9600 kbps, huhu. Aliás entrevistei ele para o vídeocast e adivinha qual foi a primeira pergunta que eu fiz pra ele? Aham. Também falei sobre seus projetos e obras. Aguarde pra ver o produto pronto, semana que vem.

Atração principal.

Dói-me um pouco destacar assim em meio a tanta gente legal, mas foi assim que aconteceu. Ou só sei que foi assim, bancando o Chicó. Seja como for é algo legal se pensarmos que o Brasil não dá o devido valor para a literatura, quanto mais a fantástica. Não conseguia achar o Eduardo Sporh, o que é estranho em se tratando de um best-seller, mas ao achá-lo dando autográfos em um stand entrei na fila para pedir uma entrevista quando acabasse. E nessa fila muita coisa aconteceu. Primeiro que eu nunca li nenhum livro dele e inicialmente tinha um pouco de preconceito com sua obra. Não que seja ruim, conheço ele do JN, mas sempre ficava a desconfiança se ele seria um sucesso de vendas sem a Nerd Books por trás dele (ui!). Então resolvi checar a informação. Perguntei para a guria* da frente. Ela meio timidamente falou que gostou. Falou uma coisa ou outra. Depois perguntei para um cara, o Robson* o que ele achava e o cara não apenas detalhou que era fã como também me ajudou a conversar com dezenas de pessoas da fila sobre o que representava o livro pra elas. E foi legal para caramba. Geralmente eu abordava elas perguntando se conheciam ele do Jovem Nerd ou da Record e a maioria conheceu pelo maior conglomerado nerd, mas todos defendiam como uma boa obra para ler. E no meio disso conheci gente que gostava de Zelda, de ler, de podcast, ou seja, de tudo quando é gosto por cultura-pop/nerd. E o pessoal falou tanto e tão bem que até me animo a conhecer melhor lendo A Batalha do Apocalipse, mas não agora porque a fila de livros está imensa. E o próprio Eduardo se mostrou ser uma pessoa muito simples e muito bacana. Eu sempre achava ele o péla-saco dos Nerdcast por seu jeito de Capitao América, mas pessoalmente ele se mostrou um cara para lá de simpático. Eu cheguei na fila e quando encontrei ele falei: “Cara, não tenho livro para autografar, mas quero uma entrevista tua quando der, pode ser? E tu não parece o Jacob!”, as risadas foram várias com isso, tanto que acabei virando o fotógrafo oficial da galera qu não tinha câmera, mas queria uma foto com ele e então quando eu ia dar o clique falava “Digam Jacob!”, huhu. Ficam algumas fotos até mesmo para que a galera possa tirar caso não tenha pedido por Facebook ou outras formas de contato.
Teve um último pessoal* que falou bem dos livros também e a guria queria dar um beijo na boca dele. O louco, meu, haha. Comentei sobre o que o pessoal dizia dos livros dele pro Edu e depois tive uma entrevista muito legal com ele e que vocês verão na próxima semana no Pankeka Show. Agora sim, seguem as fotos:

 Eu, Palhaço?!

Também não faltou meu momento mico. Eu sentei do lado do Eduardo Spohr na bancada de autógrafo e puxei da minha mochila o meu manuscrito do Livro Humanidade e comecei a chamar o pessoal para quem queria pegar um autógrafo meu. Um dia quem sabe alguma fã histérica vem com uma caneta e pede pra autografar a parte superior do peito porque não tem bloquinho, hahahaha.

Cosplays.

E claro não faltou os mágicos das fantasias e que vieram já bem adaptados a perfil do evento mostrando que são pessoas muito hábeis para pouco tempo. E devo elogiar o Espantalho e a Harlequina e a Hera Venenosa que roubaram mesmo a cena fazendo altas poses como essa primeira que foi tirada especialmente para o Toma Rumo Guri. Obrigado, vocês foram uma simpatia, proximo evento pego melhor àquela entrevista. Ah, muitos deram entrevistas fodásticas e também serão vistas semana que vem. Enfim, segue a foto da galera que está de parabéns mais uma vez pelo show que deram (Aquele mesmo esquema, cliquem para ampliar as fotos):

Teve também a foto que a Karen nos permitiu postar que não fui eu que tirei, por isso cito a página da moçoila: Karen Page.

Então eras isso, fica aqui a foto da equipe, no caso eu, que produziu essa super matéria e a que vocês verão na próxima semana…

Não esqueçam de seguir a page no Facebook clicando AQUI, nosso Twitter clicando AQUI, podem comentar e mandar e-mails para tomarumoguri@gmail.com e quem quiser bater um papo “talk nerd to me” pode me adicionar no Face AQUI. As redes estão meio desatualizadas, mas daremos um jeito nisso. E continuem acessando o TRG.

Comecei com uma fala de quadrinho e assim termino também: Sou o melhor naquilo que eu faço! Haha, brincadeiras a parte, vamos tentar fazer uma força maior dos sites e blogs pops aqui do RS…

E vocês sabem… Quando me verem lá nos próximos eventos digam:

TOMA RUMO GURI!!

E mentira o que o Émerson disse que eu sempre visto a mesma roupa… u.u

Cobertura de Chocolate: 16º AnimeXtreme

 AVISO: ESSE É O REVIEW DO EVENTO – A PARTE ESCRITA -, MAS DOMINGO QUE VEM TEM O PANKEKA SHOW QUE VAI TRAZER A COBERTURA COMPLETA DO ANIMEXTREME EM VÍDEO COM TODA A COBERTURA QUE FIZEMOS. VOCÊ PODE ATÉ GOSTAR DESSE REVIEW, MAS VOLTE DOMINGO QUE VEM PARA ASSISTIR TUDO QUE ROLOU COM ENTREVISTAS DOS COSPLAYS E DOS STANDS. NÃO PERDE!!

Boa noite para todos os Nerds, geek e otakus dos pampas… Sim, a noite é de vocês porque nesse fim de semana gélido ocorreu na região metropolitana de Porto Alegre o maior evento de cultura japonesa do sul do Brasil. Embora verdade seja dita: Nunca fez tanto sentido as palavras “evento multitemático”. A AFAR produtora tem anos de cancha nesse segmento de evento, mas pareceu conseguir algo raro nesse tipo de acontecimento: Ser realmente um evento multitemático!
Impressionante o número de stands com atividades novas e totalmente diferentes, mas que nem por isso não são de agrado aos seus frequentadores. A AFAR entendeu há algum tempo que o leitor de mangá também pratica esporte (ou deveria) e gosta de literatura medievais. Que a guria que lê Harry Potter também está aprendendo a ver Walking Dead. Somos todos nerds e não é fácil prender nossa atenção. Porém existem por aí muita coisa para tentar esse feito e que se feitas com qualidade e com uma vinculação específica o tiro é certeiro. O Toma Rumo Guri estava lá  como imprensa oficial para trazer todas as informações relevantes desse evento.

Como diria a sábia Sandy: “A noite cai e o frio desce”, e como desceu. Tal como uma mulher naqueles dias fomos agraciados com aquela queda brusca… de temperatura. Os termômetros pareciam  tentar medir uma possível febre no Sub-Zero. E com tudo isso – Gargantas feridas, recuperações e uma reunião de business a respeito do marketing envolto nas novas diretrizes do blog – infelizmente não comparecemos no dia mais frio. Porém domingo estavámos lá, firmes e fortes na paçoca. O frio não era tanto, mas ainda assombrava-nos com seus cochichos no ouvido. As filas estavam enormes e ao contrário do tempo de cara fechada o evento esgotara seus ingressos. Pessoas tiveram que voltar para casa e tiveram um triste fim: Assistir o Domingão do Faustão. AHHHHH!!
Porém os fortes sobrevivem, como dizia Goku. Tá, nunca falou nada disso, mas é a pura verdade…

Cabe aqui uma explanação. Vou dividir os fatos em prós e contras para ficar mais fácil visualizar o todo e até tentar fazer alguns exercícios de abstrações desenhando um mapa mental enquanto assobia o tema de Digimon. E claro, começar pelos contras:

* Filas enormes até para subir escada ou para ir para o pátio de trás.
* Poucos mapas ou indicativos de para onde ir.
* Lugares pequenos para os acontecimentos mais concorridos (os stands estavam bons)
* Alguns estandes meio à moda louca.

Digamos assim: Filas não tem jeito, o AnimeXtreme tem cada dia mais pessoas circulando por seu interior e não tem muito o que se fazer a respeito. O que acontece é que tem lugares com um espaço pequeno e longo no qual acaba rolando aquilo que chamo de Atravancamento de Lancherose. Sim, lá onde a mula empaca perto do trigo (=p). Talvez alguns staff em lugares estratégicos ajudassem a orientar sentidos únicos e saídas alternativas, mas nada que desmereça o evento.  Orientações eram bem-vindas também em como achar aquela sua sala favorita, o espaço era grande com várias ramificações e o jeito foi o velho e bom “vamos ver aonde aquilo ali vai dar”. Já alguns lugares infelizmente não conseguimos ver e outros nem entrar de tão cheio ou desmotivante pelo tamanho da fila lombrigal. Agora o último ítem é que uma coisa ficou clara para mim: Os stands estão crescendo e muita gente (Como o simpático pessoal da Liga Comics) sabe como gerir essa demanda de interesses, talvez por serem mais velhos e maduros. Agora teve salas que eram Arkham Asylum (haha) porque não tinha um organizador ou se tinha não soube domar suas feras. Digo isso porque é tão bacana você entrar nas salas temáticas e algum instrutor ou o mais perto disso lhe receber, orientar, convidá-lo para fazer parte daquele todo. Agora você entrar e sair de uma sala com a sensação de que perdeu 10 segundos preciosos de sua vida e que é para você aprender a não ser tão curioso é algo meio estranho para um evento desses. Salinhas: Cuidem dos seus visitantes!! Porém a maioria cuidou muito bem e deu excelentes entrevistas pro papai aqui (=p).

Os prós (Chupa Jô!!):

* Stands conceituados cada vez mais legais e procurados.
* Stands e atrações novinhas.
* Organizadores de stands e cosplays solícitos e simpáticos.
* Poucas plaquinhas (comparado com outros eventos)

 Não sei vocês, mas foi nas salinhas e na área central da quadra que esse AX fez seu nome esse ano. Os organizadores mais experientes deram um show de bola em atendimento mesmo com as salas abarrotadas e souberam em sua maioria organizar o pessoal para não ficar aquele bolo no meio da sala como o aniversário do seu tio Osmar. aproveitaram os espaços e divertiram pacas. Entretenimento é o canal. Teve coisas novas que foram muito legais de se conhecer como o pessoal que veio mostrar do que é feito o Baseball (com sua máquina Derruba-Homens) e também o Clube das Armaduras Medievais (Fus Ru Dahhh!!), que principalmente o organizador principal deu um show de conhecimentos históricos mesmo vestido de dr. Doom. Todo mundo tirou foto de boa, ninguém subiu no salto e até os cosplayers entenderam que eles são as atrações disso tudo e que tirar foto é natural. Palmas pra todos. E sério, pode parecer bobagem, mas agradeço porque, até vi, mas foram poucas plaquinhas de “vendo meu corpo” que achei por lá. Acho que adolescentes não deveriam vender-se por tão pouco, não importa se é brincadeira ou não. Vi gente trocando bitoquinhas, isso vale, mas plaquetas eróticas não dá mais. Vamos banir isso desses eventos? Escreva “me dá seu msn”, mas só, né. Até garotas adultas com isso, o que é muita abobadice. Mulheres (+18), caprichem nos cosplays que vale mais. E não citei direito nos prós, mas o pessoal que frequenta o evento e ficou na quadra foi que deu O show: Com alegria todo mundo posou pra foto, fez festa e até desceram catarata a baixo com os “Gritadores das cataratas do Iguaçu”, haha.

Fiquem com as fotos do que rolou no evento (não postarei todas hoje, postarei algumas e subirei hoje e amanhã aos poucos as outras: 

Parabéns, AnimeXtreme, parabéns AFAR. Foi um evento bem legal e esperamos que a tendência sempre seja essa. Claro que muita coisa do que me diverti foi do que eu próprio proporcionei correndo de um lado para o outro tentando trazer a melhor cobertura já feita. Aí é que entra o seu papel leitor, nos conte sua experíencia e enriqueça o TRG com sua versão do evento. Espero que tenham gostado e voltem aqui semana que vem (Ah, voltem todo dia, vai…) porque domingo que vem (se tudo der certo) estréia o Pankeka Show e vai ser sobre o AnimeXtreme com todas as entrevístas que fizemos, vai ser muito legal. 80% do material está em vídeo. E AFAR, nos chame para o próximo, okay?

Equipe TRG fazendo pose.

Shoryuken!!

nééééém, prefiro o nosso…

Toma Rumo Guri!!

Video Game Awards – VGA – Acertos

 
Ganhou como GOTY o Skyrim que é um jogaço como falei, mas que como também salientei a decisão do público votante (Vide adolescentes fãs) é o que conta. O favorito Batman não levou o caneco e Bruce Wayne voltou triste para sua mansão onde irá faze sexo casual com uma dúzia de gata. Mais sorte da próxima vez, sr. Wayne. Ah, mas o Coringa levou…

Vamos aos acertos do TRG:

Best xbox 360 game

Batman: Arkham City
Best ps3 game

Uncharted 3: Drake’s Deception
Best wii game

The Legend of Zelda: Skyward Sword

  

Best handheld mobile game

Super Mario 3D Land
Best shooter

Call of Duty: Modern Warfare 3

Best action adventure game
Batman: Arkham City
Best rpg
The Elder Scrolls V: Skyrim

Best individual sports game

Fight Night Champion
Best fighting game

Mortal Kombat

Best motion game
The Legend of Zelda: Skyward Sword

Best independent game
Minecraft

  

Voting/best downloadable game

Bastion

12 acertos de 25 categorias tentadas, o que dá praticamente a metade. Se o professor arredondar a nota dá pra passar, huhu. Não dá nem pra dizer que tenho que melhorar meus conhecimentos porque taí uma votação popular bem estranha, huhu. Tem um site que argumentou como deveria ser a votação de games, acessa aí: GameWorld. E a lista com todos os ganhadores está AQUI.

Bom, pelo menos vou poder pechinchar no jogo do Batman com o cara da loja, não vou pagar 99 Reais por um jogo que nem é o jogo do ano. =p

Toma Rumo Guri!!

Video Game Awards – VGA

Start! É hoje o dia de conhecer qual o jogo mais fodão do ano. Com uma leva de grandes histórias e gráficos as industrias de videogames tentam resistir a crise que bate lá fora. E estão conseguindo porque todos esses jogos são sucesso não só de critica, mas também de lucratividade. Por causa desse especial de fim de ano as colunas que estariam aqui fica para a próxima semana, falou?

É importante salientar que a votação é por voto dos gamers o que deixa a disputa acirrada por fãs, mas deixa de lado muito quesito técnico. Porém tá valendo, a massa gamer sabe das coisas. Os indicados para jogo do ano são:

  • Batman: Arkham City
  • The Elder Scrolls V: Skyrim
  • The Legend of Zelda: Skyward Sword
  • Portal 2
  • Uncharted 3: Drake’s Deception

Vamos a um breve comentário dos favoritos: Uncharted vem com a banca de ter ganho com sua segunda edição, porém apesar de Drake’s Deception ser um jogo muito bom mesmo peca por ser exclusivo para uma plataforma. Claro que isso não afeta o jogo que tem uma história muito boa, mas isso afeta a decisão da massa com certeza. E é bom, mas não é o MELHOR. Zelda é Zelda, não tem jeito. Um de seus jogos é lembrado até hoje como o melhor jogo de todos pelos gamers fervorosos, mas não acho que o “elfo” da Nintendo conquiste as honras hoje, o jogo é pra Wii o que o faz ser meio termo de hardcore com meio termo de casual, ainda mais com sua espada-controle. Zelda não é Mario, não tem o mesmo apelo para os casuais que poderiam empurrá-lo e esse público talvez nem saiba de tal votação.  Skyrim, esse vai ser difícil derrubar. Um rpg bem divertido e com ampla gama de possibilidade de jogo na minha opinião seria o favorito por todo o tititi em cima, o que é merecido porque o jogo é baum, fio. Porém eu disse seria, pois quando o homem-morcego dessa nova saga gamemanistíca entra em cena não tem pra ninguém. O Arkham Asylum era fodástico, e o Arkham City promete um mundo maior dando a possibilidade de explorar toda Gotham e não só o asilo Arkham. Fantástico. Então escreva aí minha opiniões e vamo que vamos:

Game of the year:
Batman: Arkham City


Studio of the year:
Rocksteady Studios

Best xbox 360 game
Batman: Arkham City

Best ps3 game
Uncharted 3: Drake’s Deception

Best wii game
The Legend of Zelda: Skyward Sword

Best pc game
Battlefield 3

Best handheld mobile game
Super Mario 3D Land

Best shooter
Call of Duty: Modern Warfare 3

Best action adventure game
Batman: Arkham City
Best rpg
The Elder Scrolls V: Skyrim

Best multiplayer game
Call of Duty: Modern Warfare 3

Best individual sports game
Fight Night Champion

Best team sports game
FIFA Soccer 12

best-driving-game
Need For Speed: The Run

Best fighting game
Mortal Kombat

Best motion game
The Legend of Zelda: Skyward Sword

Best independent game
Minecraft

Best adapted video-game
Back to the Future: The Game

Best song in a game
“I’m Not Calling You a Liar” by Florence + the Machine

Best original score
Batman: Arkham City

Best graphics
LA Noire

Best performance by a human male
Mark Hamill as The Joker

Best performance by a human female
Tara Strong as Harley Quinn

Voting/best downloadable game
Bastion

Best dlc

Mortal Kombat: Freddy Krueger

Essa é a minha opinião. E a sua? Enfim, logo saberemos, e que com tudo isso os jogos ganhem só em estimulo em qualidade e diversão, o resto, não importa muito…

Toma Rumo Guri!!

Multiverso RS – Comic-Con #notyet

 Cobertura Toma Rumo Guri (De Baunilha)


Saudações nerds das querências virtuais. Nesse fim de semana, embalado pelo feriadão oriundo da Semana Farroupilha, aconteceu o maior evento do mundo nerd: As fotos peladinhas da Scarlett “Viuva Negra” Johansson vazaram na internet. Ah, também aconteceu um evento mixuruca em Porto Alegre com nome de evento grande. 
 “-Ei”, dirá você nobre mancebo que curte o lance do Naruto ter nove rabos, “você está axincalhando com um evento super legal que eu me amarrei.” Problema é o seu, meu compromisso é com a verdade. Tá, não tenho compromisso nenhum com porra nenhuma, mas sinceramente o evento deixou muito a desejar. Não se diferenciou em nada dos já habituais findis de animes e nem ao menos conseguiu ser do mesmo porte me fazendo pensar que tá mais para pseudo-evento de anime e não uma Comic-Con RS. A menos que o Multiverso dê um significado ao pé da letra e seja algo do estilo Superman>Bizarro. Aí poderiamos conversar sobre o sentido da coisa…

“Toasty”

Comic-Con?!


Comecemos por aqui e paremos. O porquê de ter o mesmo nome do evento apíce nerd do mundo inteiro é uma incógnita para mim. E de nada adiantou isolar o x, ainda ficou ridículo para caramba. Está certo que a proposta era ter um acontecimento diferente, mais focado nos quadrinhos (Sim, comics, dãã), porém isso não nos leva a acreditar que só porque era sobre gibis que isso dava o direito de se achar alguma vertente da CC em terras brazucas, quiçá gaudérias. Poxa, se a Comic-Con é o que é hoje foi porque foi construindo sua imagem durante os anos como uma excelente feira com conteúdo e se a Multiverso queria aprender com a CC que fosse na parte de valorizar uma marca.  Acharia mais plausivel se fizessem um nome próprio e que fossem construindo esse nome com os anos, todos seriam mais pacientes e daria uma significação maior que simplesmente copiar o nome no carão. Se alguém souber um motivo do nome ser Comic-Con também pode me xingar nos comentários , mas por favor me expliquem antes o motivo então. Até segunda ordem para mim chama-se Multiverso RS. 


Convidados


Aqui quero deixar uma coisa clara. Respeito o trabalho de todos, minha opinião jamais refletirá uma verdade absoluta e nem ao menos com ela pretendo desmerecer o esforço de alguém. Mas pô, Maurício Saldanha? Até a convocação que ele fez para o evento me deu vergonha alheia. Dublador não sei o nome do Lanterna Verde? I know, right? Noooo… Fábio Yabu é legalzinho, mas não sustenta um evento. Por incrível que pareça os que mais “brilharam” foram os roteristas de HQ’s, como os da Turma da Mônica. Por mil planos infalíveis, hein? 

Espaço


O lugar onde aconteceu o evento foi bacanudo, visto que como não tinha lá muita gente não teve filas, nem incomodações maiores. Fora que o cenário já hospedou outros acontecimentos nerds como o AX, então não tinha como dar errado (Clique nas imagens para ampliá-las).

Vamos ao Multiverso-RS então…

Lojinhas:

O dia estava bonito, tinha sol e as ameaças dos meteorologistas não fustigariam os nerds, não até o fim da tarde de domingo, ou seja dava pra se esbaldar. Eu tive o pé atrás sobre o evento e esperei ter as primeiras opiniões ao fim do sábado para arriscar-me a ir e então domingo liguei para a @bezer_rinha e lá fomos nós com sede de diversão. Ao contrário do AX onde fomos de imprensa, nesse fomos bem como turistas mesmo, prontos para uma diversão descompromissada. Mas foi só pôr os pés no Colégio Marista São Pedro que meu indicador começou a clicar indiscriminadamente qualquer ser fantasiado. Infelizmente esses eram raros e escassos, mesmo assim alguns bem criativos. Ah, sim. Tinha os Narutards também. Uffe!

Então, minhas experiências retratam o que ocorreu no domingo e geralmente em eventos esse é um dia mais agitado e divertido que o sábado com mais cosplays e mais coisas acontecendo. Se a lógica prevaleceu posso dizer que foi meio parado demais. Mesmo assim deu para extrair risadas, encontrar algumas caras velhas e se empolgar em alguns eventos aleatórios.

O primeiro passo foi adentrar as lojinhas que já tem seu lugar delineado no colégio Marista. O evento era de comics, mas nitidamente os stands não estavam preparados para a mudança de nicho e acabaram forçadamente nos oferecendo os mesmos produtos nipônicos de sempre como as lojinhas de tocas, de mangá e até uma descarada lojinha de venda de sushi!! Haha, mesmo assim tinha umas camisetas legais, mas por corte de verba só levei um mangá do Tenchi Muyo em inglês do balaio. É a vida…
Mesmo assim tinha alguns itens muito legais e alguns desses “brinquedos” você vê a seguir:

 

Na falta de atividades e convidados melhores por parte do evento as salas alternativas conseguiram um certo destaque. Caras velhas, mas com o mesmo pique de sempre. A sala dos Jedis marca presença em todos os eventos de animes e sempre estão com as salas do Conselho aberta para uma discussão sobre a senilidade do George Lucas ou para falar de porquê a nova trilogia de Star Wars não é Star Wars. Aliás, acho que os caras dessa salinha devem estar de saco cheio da minha cara pois sempre pergunto pra alguém o que acharam da nova trilogia, haha. Pelo menos dessa vez pude falar sobre as adições horriveis na saga original. “Noooooooooo!!”, Huhu… Mas então, a sala tem bastante “brinquedinhos”, um poster, sabres e fantasias para tirar fotos bem divertidas (Não, não tem slave Leia) e um cofrinho onde o R2-D2 rouba sua moeda no carão, além de ficar sabendo da existência de uma balada caracterizada a la Star Wars. Pode isso, Arnaldo?
Outra turma do bem, é o pessoal da Aliança Comics que dessa vez estavam em casa. Teve a tradicional rifa valendo canequinha, teve quiz valendo canequinha (=p) e teve um bate-papo filosófico sobre super-heróis que pareceia bem nerd (E não, não davam a canequinha). Aliás, tinha só 2 gurias no meio daquela nerdaiada mão-peluda. Eu, nerd master acertei só 10 questões de 20. Porém antes que me atirem a primeira dragonball, a meu favor tenho que a maioria das questões era sobre fase de HQ que eu não acompanho mais, a da Paninni caça níquel. Fora isso os que empataram em primeiro fizeram 15, então tá mais que bom, huhu…
Rola fotinho? Ah, rola…

Salinha Star Wars:

Salinha Aliança Comics (Gibi):

Cosplays:

O que seria de um evento nerd/otaku/gibimanáco/punheteiro sem os famigerados costumes play? Pois então, aí entra uma peculiaridade sem tamanho. Quase, e leia bem, eu diss que quase…, não tinha cosplays no Multiverso RS. Sim, alguns estavam adequadamente trajados com seus originais trajes, mas a maioria dos cosplay da cidade acho que foram para a praia, tentando achar uma solução lógica. Sábado teve o concurso de cosplays, mas pelo que vi de um vídeo também não tinha lá muita coisa a mais não. Embora realmente até nos eventos de animes eles estejam em extinção nesse evento foi sacanagem né…
Como disse anteriormente eles pelo menos usaram a criatividade como por exemplo o cosplay de Lobo que tava bem legal (Em sua jaqueta ele mandava os Fanboys se fuderem), as gurias do South Park (OMG, they killed Kenny – You busters!!) e o Capitão Gustavo América, cujo nome eu sei porque tava escrito no lombo da esposa dele. Com todo respeito ^^ (família super gente boa, todos muito simpáticos, inclusive a filha dele que foi o xodó do evento). Me recuso a tirar fotos de Narutards, portanto temos poucas fotos e só faltou as meninas do X-men e da mulher do Lobo, a Zatanna que não tirei foto por medo da @bezer_rinha me bater…
Poxa, Comic-Con… Isso tem que ter cosplay!! Seguem as fotos…

 
Pelo menos não teve aqueles cosplayers que acham que tão te fazendo um favor posar e se pudessem cobrariam cada disparo de flash. Todos super solicitos, ponto pro galerê.

Entrevistas:

Tá, pode até não ser muito profissional da minha parte, mas não assisti aos convidados. Então procurem um blog mais péla-saco para ver com detalhes as entrevistas mais entusiasmantes do que assistir o Faustão num domingo de ano novo. Porém assisti a entrevista do roterista da Turma da Mônica e foi a melhor dentre tudo que aconteceu nesse (es)quesito. Tanto que até arrisquei perguntar algumas coisas para o convidado. Perguntei se o Mauriciola (O grande) ainda escrevia (Sim, o Horácio só ele escreve pelo lado poético da coisa), se os roteristas iniciantes pegavam Penadinho, Piteco, etc… para escrever enquanto os roteristas com cancha assumiam as falas da turminha principal (E antes que falem qualquer coisa ele disse que sim!) e se eles empacavam como burro perto do trigo (Não nas frases do chaves, é claro) com o assunto do politicamente correto como o caso do Cascão que perdeu sua essência ao tomar banhos ocasionais na puberdade (Até tenho conversado pelo Twitter com o Sidney Gusman a respeito, huhu…
Também o próprio Gusman deu a dica para quem quer ser roterista: Tem no site da Turma da Mônica uma seção para mandar roteiro, isso sim muito bacana. Estarei pretendendo estar mandando em gerundio… 
Fiquem com as imagens e vejam como estava bombando (uma pena =/):

Essa última foto é dos quisques de lanches. Putz grilla, tinha uma senhora que vendia Crepy que a @bezer_rinha pediu 2 de chocolate branco para ela e, sem brincadeira, ela fez uns 4 e ainda conseguiu errar mesmo com a bezerruda falando mil vezes o que queria. Eu fiquei com pena.

Fight!

Dito tudo isso desejo sorte ao grupo Multiverso que eles consigam se estruturar melhor e possam realmente construir uma marca forte e possam trazer eventos melhores. Porque o RS precisa de mais eventos de quadrinhos, definitivamente. E é sempre bom o clima de evento, não importa em que esfera. Sorte a eles, a nós (Que possamos deixar de sermos narutards, certo?) e que o RS possa chegar um dia a fazer eventos como uma Comic-Con de verdadinha. Ia ser foda, vai dizer?

Equipe TRG fazendo pose pra foto
Sim, nós temos biscoitos…

Toma Rumo Guri!!

AnimeXtreme 13º

Cobertura Toma Rumo Guri (De Chocolate)

Aconteceu no fim-de-semana passado (16 e 17 de outubro) o 13º AnimeXtreme, da AFAR Produções. Evento multitemático voltado para a galera jovem (de coração). O AnimeXtreme(AX) é um evento que prestigia os fãs da cultura japonesa, mas cada vez mais tem aberto espaço para entretenimento em geral como  Jedis, bruxos de Hogwarts e até a galera de (Glup!) Crepúsculo (Eca!!). O evento volta às terras poeirentas de Porto Alegre trazendo uma edição especial com os Cavaleiros do Zodiaco, o nome tolo brasileiro de Saint Seiya (sic). Um galerê se reuniu durante dois dias no colégio La Salle São João para vestir-se como seus personagens favoritos, tirar foto com dubladores, comprar bugigangas nerds, pegar otakas e correr como abobados. Correr como abobados é tradição já.
O AnimeXtreme assim como a AFAR é sempre um assunto contraditório para os fãs… Há os que amam e há os que odeiam, mas a AFAR tem conseguido corrigir bastante de seus erros históricos e fazer o quê, não tem jeito, o AX tem uma galera bem fiel, que com erros ou sem vai continuar superlotando colégios na região da grande Poa.

SAO – Serviço de Atendimento ao Otaku

Algumas das coisas que não passaram batido no evento foram as já clássicas falta de organização de filas, que como sempre eram cansativas (porém vale ressaltar que lá dentro do evento não existiam mais, muito disso por conta do grande espaço e distribuição, ponto pra eles nisso). Teve também o problema da escravatura artística, no qual a organização do evento prendeu os dubladores tudo o que pode. Óbvio que eles deveriam cumprir uma agenda no evento, mas deveria ser concedido um tempo para eles passearem no meio do povo pseudo-nipônico ou mesmo nas salas temáticas. Outras coisas que incomodou foi a falta de noção dos seguranças, eu vi um menino ser arrastado sem os tênis por 2 seguranças. Confesso que não sei o que ele fez, mas né? Noção… Faltou por aqui. Poxa, tá certo que o povinho zé otako erra as vezes em comportamento, mas geralmente é no quesito bagunça e falta de controle, não é um público de estádio (Torcidas organizadas) ou de shows noturnos.  Também não era muito fácil de se achar lá dentro, não tinha mapas e nem mesmo as salas eram bem identificadas. Brabo isso. Porém o que mais incomodou ao meu ver foi mesmo a falta de seguir o cronograma. Acabei perdendo muita coisa por conta disso, mas fazer o quê… Acontece! Eu acharia legal também um lugarzinho para podermos fazer perguntas para os convidados… Enfim, nem tudo são flores de Lótus. Porém ninguém faz um evento melhor que a AFAR e nenhum evento atualmente ganha do baluda AX. UPDATE: Lembrei, lembrei… O som do ginásio era ruim, e tinha pessoas muito longe nas escadinhas do fundão do mesmo ginásio no qual se tu passasse olhando para cima tu via o que não queria. Ou o que queria, né? #troll /FIM

Estandes – ou lojinhas de bugigangas nerds

Logo ao adentrar os portoezinhos metálicos do evento, você caía logo dentro da famigerada fabriqueta de  tirar dinheiro dos fãs de traquitanas nerds. Era um lugar escurecido onde algumas dezenas de pessoas se expremiam atrás de algum objeto precioso, na sua maioria bottons. Disso se aprende que o público otaku na sua maioria não são burguesinhos abastados, mas sim adolescentes que economizam sua mesada ou vendem dignidade com plaquinhas para comprar um Pikachu métalico ou algo que o valha (sic). Então por que raios tudo tão superfaturado?
Lá tinha as vulgo barraquinhas, cada uma com seus diversificados produtos destinados ao público-alvo em questão. Camisetas, adesivos, bottons, carrísimos bonecos de resina, bottons, gêneros alimentícios japonex, DVD’s e mais bottons. Tinha também um quiosque (=Pp) anunciando o Anima Hero da mesma produtora e um com proposta de cursos, esse bem legal que sorteou um curso grátis com eles, a AlfaMídia. Deles vale a propaganda grátis por aqui. (Plimplim!!) Não, não ganhei nada por isso huhu… (Clique para ampliar):


Update2: Lembrei do estande da Compujob com 4 computadores com um processador incrível, no qual tive o prazer de jogar Fifa 2011 que é incrível, conseguindo superar  o PES. Bom rever o Fifa com tudo. Bom também o atendimento dos carinhas da Compujob, pessoas divertidas e muito gentis. 10 pra eles. Fim

Salas Temáticas

Aquelas salas já conhecida nos eventos onde reune-se um galerê por afinidades, mas cá entre nós, não rolou muita quimíca não, com raras exceções. Havia uma sala de Crepúsculo vazia, vazia (mas isso sabemos o porquê…), uma sala onde garotos jogavam twister so som de comando de um cara fazendo chapinha (O.o”), uma sala de xadrez que só bombou no domingo, mas que a partir da segunda rodada foi esvaziando até quase não ter ninguém – Aliás, perdi pra 2 piazinhos e empatei por tempo com um cara que comia miojo (Vale ressaltar que comi a rainha dele, mas deixei ele voltar pra gente continuar jogando u.u”) -, tinha uma sala de Comics aonde o organizador não deixava ninguém folhas suas hqs, sendo que não vi nenhuma rara… Ah, fora sortear um Thor numa rifa por R$ 2,00 cada, não era bom negócio para ninguém, talvez para quem ganhou o Thor e para o organizador… Também tinha uma salinha de dublador vazia, vazia onde tive o prazer de dublar o Seiya junto com uma garota de peruca azul no papel de Shina, onde eu tinha umas 3 frases curtíssimas do Pegasus que só falava coisas complexas tipo “O quê??” e “Hãã?”, e pra completar não me mandaram o vídeo até hoje… ¬¬ Tinha a sala passando vídeos dos Guardiões de Saori, mas que tava sempre vazia. Até tentei olhar um pouco a luta do Saga contra a srta. Kido, mas certas pessoas não deixaram u.u”. Acho que o pessoal do rpg e Mágic conseguiu se achar, mas acho que só também.

 

 

 

Estrutura

Olha, o colégio La Salle São João é uma boa escolha, porém ele é “vielado” demais. Muitos corredores curtos e pontos distantes entre si, o que ocasiona congestionamento em algumas partes mais estreitas e povo disperso, o que até nem sempre é uma coisa ruim. Eu não consigo desassociar os estandes de dentro de um ginásio… Acho mais boneténho e organizado, como estava parecia um galpaozinho improvisado, ao menos que o sol batesse dentro dos corredorezinhos, mas acho que em alguns casos poderia ser prejucial para os produtos.

 

 

 

Público

Como sempre, sábado é um dia meio aquém e o massivo mesmo acaba rolando no domingão do Fastão, onde o pessoal resolve aparecer em massa. Não tenho estimativas de públicos, acho que pra estrutura tava já de bom tamanho, mas uma coisa que já é vista a olho nu é que o número de cosplays cada evento diminui mais e mais. Não esperem de mim uma tese científica sobre isso, porque eu não tenho. Mas é uma pena.

Cosplays

O legal desses eventos é que cada vez mais a grande estrela é o próprio público que se fantasia e se diverte às veras. Mesmo com o número descrescendo cada vez mais, ainda temos boas e criativas fantasias, espero que volte a crescer bastante (Os cosplays, animal! -.-) Há de se fazer um adendo: Há algumas pessoas que vão de cosplay e na hora que são interceptadas para tirar foto fazem cara feia, dizem não ou ainda se acham um monte – nesse AX até que não vi quase nenhum – mas é bom lembrar que é um evento festivo, e que a pessoa que quer tirar uma foto é porque está elogiando seu bom trabalho artesanal (ou comprado, né… Huhu). Seja como for, ninguém é obrigado a tirar fotos, mas não é de se esperar que alguém que ponha uma melancia no pescoço amarrada não seja alvo de atenções. Os cosplays mais “profissas”, são sempre os mais legais e bacanudos com você, porque eles entendem isso que acabei de mencionar. Tá, chega de papo e vamos honrar as imagens que valem mil palavras ou 2 mil no meu caso. Com vocês, os Cosplays do 13º AnimeXtreme:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se você está numa dessas fotos ou conhece quem esteja e quer que seu nome e cosplay seja divulgado entre em Contato e dê seu nome que com prazer divulgaremos seu trabalho com o devido crédito. Também se você não está aí em cima, mas fez algum cosplay contate-nos que também poderemos adicionar sua foto no nosso hall de fantasias bacanudas.

Shows

Como mencionei, os horários e eventos dispersaram um pouco e consegui parar para ouvir apenas uma das bandas (A banda antes dessa cheguei a ouvir 2 músicas e parecia boa), para mim a mais reconhecida e com méritos para isso: The Kira Justice. Levada a frente pelo talentoso Matheus, a TKJ conseguiu mais uma vez por a galerinha para dançar. Música muito bem trabalhada aliada a nostalgia dos animes e desenhos clássicos, tudo isso cadenciado com um ritmo mais frenético. Elogios para o astral da banda e para  o astral que conseguiram impetrar no público. O alto foi músicas como a da abertura de Fly (Dragon Quest), DragonBall e canções do Death Note. Não gostei muito das músicas autorais apresentadas, eles tem melhores músicas e ficaram devendo nisso, também músicas como “Eu me remexo muito” que são bacanas pela criatividade duraram mais do que deveriam. Também ouve um excesso de Pokemon, mas a música de abertura do mesmo anime é muito bacana e muito legal de ser ouvida ao som deles. A produção deu um toque bacana para cuidarem a roda punk, afinal pular é preciso, mas sobreviver é necessário…
Infelizmente não pude ficar para ver o show dos dois convidados especiais, mas quem viu achou bacanudo. Fiquem com os vídeos dos melhores momentos:

TKJ – Contato: thekirajustice@gmail.com

Rodrigo, Larissa e TKJ

Dubladores

Teve dubladores a dar com… Err… Teve dubladores de montão. Os cavaleiros bronzeados e mais o grande Saga/Kannon/Seiyaseuviadinhorulez Gilbertão. Todos grandes pessoas e com uma voz marcante, não só pelo anime Saint Seiya, porque alguns já fizeram grandes coisas como Zé Colméia, Charlie Brown do Peanuts, etc… Acompanha aí o que rolou, a fonte desses vídeos é o VocêTobas Youtube:
Gilberto Baroli (Saga)

Elcio Sodré (Shiryu)

Francisco Brêtas (Hyoga )

Ulisses Bezerra (Shun)

Hermes Baroli (Seiya, seu viadinho)

Plus

Rolou um pedido de casamento com a benção dos guerreiros de Atena, mas isso não consegui captar, se alguém tiver aí manda pra galera o link.
E eras isso! Essa foi a cobertura do Toma Rumo Guri no AnimeXtreme, espero que tenham gostado. É uma pena que muita coisa deu errada, meu gravadorzinho estragou antes de chegar lá, minha assistente só conseguiu ir domingo, faltou uma filmadora, tempo e outras coisas mais. Queria ter feito entrevistas com o povo para ver se estavam curtindo e captar as opiniões diversas, mas deu isso aí.
Parabéns pelo evento para AFAR (As criticas nada se comparam ao elogio, e quando critico é para aquilo que vale a pena melhorar, como parte de organização mesmo), a quem eu quero elogiar e dizer que vale a pena sim acreditar em divulgadores, imprensa, blogs e o caramelo a quatro. E obrigado a você leitor por ler essa porcaria. -.-

Equipe TRG fazendo pose pra foto

Sim, nós temos biscoitos…

Toma Rumo Guri!!

Bônus:
Se você estiver na imagem abaixo, se você é uma dessas pessoas na imagem mande um e-mail para nosso e-mail descrito em Contato provando ser você mesmo e então no próximo AnimeXtreme ou evento de animes que eu for eu entrego o grande prêmio de: 1 boton u.u
Ah, já é alguma coisa, vai. =Pp Vale apenas para o primeiro guri e pra primeira guria que se manifestar. Se ninguém aparecer até meia-noite de sexta-feira que vem (29/11/2010) o prêmio preescreve. Detalhe: Para ganhar no e-mail de contato entre outras coisas deve ser dito Toma Rumo Guri!!

Os selecionados pelas nossas lentes são esse abaixo:

Boa Sorte!!