Versão Brasileira TRG – Especial de Natal Marvel

Thanos tem um plano para adentrar o castelo do líder dos Inumanos, Raio Negro: Se fantasiando de Papai Noel. Porém ele vai descobrir o ônus de bancar o bom velhinho. Fiquem com o Versão Brasileira, nossa nova coluna que vai traduzir as melhores produções gringas da internet. Então assistam agora essa engraçada história natalina da Marvel. Pois é, Thanos tá na moda… =Pp

Feliz natal, galera. Sãos os votos do TRG. E um conselho: Jamais peguem o Thor no colo. O.o

Toma Rumo Guri!!

TRG Reviews – Thor 2

Temei, mortais! Os deuses nórdicos invadem novamente nossas telinhas com o segundo grande filme Marvel da nova fase: Loki 2 – The Dark World. Erm… Na verdade o filme é do Thor. Juro.

Primeiro, antes de entrar na análise em si, temos que desmistificar uma impressão errada sobre o primeiro filme. Thor 1 (na época apenas Thor) não é um filme ruim. Até posso prever gente tapando os olhos, se esticando na poltrona e colocando a mão na barriga a ponto de vomitar. Isso porém é “haterismo” de primeira. Concordo que faltou ação para um filme do deus do trovão com cenas dele girando seu martelo e acertando algumas bundas colossais… Aliás até teve essa cena, mas foi rápida e única. Lembro, e revendo admirei novamente, a cena inicial em que o filho de Odin vai até Jotunheim enfrentar Laufey e seus gigantescos monstros de gelo é a melhor parte da raiz cinematográfica do cara do martelo. Ele gira o Mjölnir, ele arremessa o Mjölnir, ele varre a cara dos inimigos com o Mjölnir… Deu pra entender, né? É o Thor usando seus poderes de uma forma acertada. Ação de primeira. Porém parou aí, no resto do filme a coisa dá uma acalmada. Porém não fica ruim não. Peca pelo excesso de comédia (mesmo assim engraçadas, vai… A maioria pelo menos) e algumas cenas que realmente quebram o clima. Eu ainda reparei os efeitos CG do raio de fogo do Destruidor acertando um lugar e a explosão saindo de outro. Mesmo assim teve cenas do caramelo! O Thor sem poderes entrando na base improvisada em pleno Novo México e derrubando geral como um quaterback de futebol americano é “daora” e a hora que o ex-Donald Blake (haha!) enfrenta de peito aberto o vigilante da sala de armas de Asgard é bem emocionante. Falando em Novo Mexico um monte de gente apontou isso como algo ruim: Um lugar deserto, parecia o Projac alguns disseram ainda. Mas fazia parte da história, nem todo desenrolar de roteiro tem que acontecer em Nova Iorque como aconteceu em Vingadores. E há o argumento favorito dos haters de que Thor e Jane Foster se apaixonaram da noite pro dia e nisso eu até concordava, mas revendo atualmente notei que não foi bem assim. Porra, além de ela ver um cara bonito (O que pra mulher conta muito) foi um cara que ela admirou bastante. Pensa: Misterioso passado, trouxe o caderno de anotações dela (cara não egoísta, podia ter pensado só na sua marreta – Ui!) e a cena que ele explica para ela sobre Yggdrasil clareando sua mente “astrofisicamente” turva  mostra o quanto uma garota poderia se apaixonar. Fora as cenas melosinhas. Enfim, não é tão fora do ar quanto todo mundo gosta de acusar. Particularmente eu só acho chato no filme o Thor ser um garoto mimado em extremo, mas isso mostra que até no erro o roteiro acerta afinal o acerto de um texto é provocar uma reação mesmo que negativa contrapondo a apatia. Também a já citada falta de ação. Enfim, é um baita filme. E lá vem a bomba: Gostei mais do primeiro filme.

Meo Duls, como? Ouvi bem? (Na verdade leu, né). Sim, Thor 2 tem mais problemas com roteiro e com veracidade do que a primeira película. Fora o fato de que quem brilha no filme não é o que está com nome no letreiro. Aliás, parabéns para o Tom Hiddleston cuja interpretação está cada dia mais bela, debochada e desaforada. Mas então, vamos aos comentários abalizados, ou não…

Thor 2 começa de onde Os Vingadores terminou. Diferença pouca, algumas semanas. Porém de Thor 1 para a sequência passaram mais ou menos 2 anos. Jane Foster está em uma crise de meia idade, mesmo assim procurando seu macho, Loki trancafiado na masmorra e Thor está recolonizando os 9 reinos. Sei que a palavra certa não é essa e sim trazendo a paz, mas já que o filme tenta tirar a divindade dos personagens e trazê-los para um lado de civilização avançada não consigo entender porque os povos acatam as vontades dos bebedores de hidromel. “Paz” restaurada e a ponte Bifrost recontruída Thor volta a Midgard após perceber que Jane sumiu do planeta e dos olhos de Heindall (Que a propósito na versão dublada me aparentou chamarem ele uma vez de Rayden, o que se for verdade foi uma baita rateada.Vi a legendada no cinema). A história é meio maluca. Malekith é o vilão central o qual criou uma essência chamada Éter que não poderia ser destruída e traria um poder descomunal para quem o possuísse, inclusive para mim é uma forma de vida própria parecida com a simbionte alienígena que originaria Venom. Só que num passado distante o pai de Odin, Bohr, conseguiu detê-lo e – presumi-se  – mata todos os elfos negros a serviço do Malekith incluindo ele e seu centro de força. Porém de um jeito que em dezenas de cenas aconteceria explicações são descartadas para tudo como, por exemplo, o tal Éter veio parar na Terra. Por causa do alinhamento? O dito alinhar dos 9 mundos que acontece raramente e que Heimdall citou que aconteceu antes de ele ser o guardião de Asgard? Mas que Erik, o astrofisico peladão, mencionar ter sido presenciado porpovos antigos da Terra. Bom, se minha matemática científica está em dia… Para os crentes do evolucionismo Midgard teria no máximo 7 mil anos. O que para o negão nórdico (outra coisa que implicaram no primeiro, besteirada pura. A voz e o semblante do ator é incrível.) deveria ser um equivalente a um fim de semana. Nem vou comentar o Thor pendurando o Mjölnir no cabide de casacos e como um simples objeto de madeira poderia ou ter rasgado-se em mil farpas ou ter tido honra suficiente para se tornar um pedaço de madeira Thor (acredite, até sapo já vestiu o elmo).
Porém mesmo esquecendo todos esses detalhes, e eu citei apenas alguns, o filme não é bem construído. Dá-se a noção de que queriam fazer um filme épico com inimigos meio Star Wars, mas que não sabiam bem o que fazer. Ilustro a cena enche linguiça  em que Thor procura a ajuda de Loki para escapar de Asgard e eles mais a mulher do Cisne Negro embarcam em uma navezinha, um barco voador e precisam da ajuda de todos os seus amigos para o tento. Poxa, o Thor não precisaria esconder-se dos guardas de Odin! “Qualé”, Mesmo sem precisar confiar no seu martelo ele poderia detê-los facilmente. Vence batalhas contra gigantes de gelo, elfos negros e criaturas mitológicas e mesmo assim se espreme em um avião como uma menina histérica com medo. Sério, não tinha o porquê. Ele deveria temer apenas Odin, e olhe lá também.
Malekith não foi um bom vilão, na minha opinião, pois não teve destaque nenhum, apenas como articulador de um ataque para recobrar seu Éter. E quando o teve não o soube usar. Pareceu-me um pouco aqueles grandes blefadores do Poker, mas cuja habilidade é zero nas cartas. Enfim, nem mesmo sua fraqueza ao ferro foi utilizada.
Quanto às interpretações, Cris Hemsworth parecia mais à vontade já que é seu terceiro filme como brucutu, e embora não seja um Thor perfeito admito que tem sido um bom representante dando vida ao personagem com sua voz forçada de ogro, como diria a Bezerra Negra que viu comigo a película. Tom roubou a cena, como já dito, Natalie Portman   fez o dever de casa pra ganhar uma nota mediana e Tony Hopkins considero como um Odin fraco desde o 1º filme, mas isso se deve a idade avançada cuja maior cena de ação ou mesmo drama é dele mexendo o pescoço pros lados. Mesmo assim respeito-o por sua importância no cinema cujo apenas o nome faz acharmos o Odin pelo menos digno de respeito.

Bem, vamos aos detalhes do desenrolar da trama. A mãe de Loki e Thor morre numa cena ridícula e sem propósito já que ela poderia ter criado uma ilusão para as duas e aparentemente parece que ninguém deu a mínima para a morte dela, o Thor só queria pegar a piriguete terráquea. Não saquei o motivo da morte, sem ser a inclusão de um motivo para Loki embarcar no roteiro, em busca da vingança da única pessoa que amou. Loki simula sua morte e toma o lugar do Pai de Todos gerando um plot para o terceiro filme e Thor após uma batalha xoxa contra o líder dos elfos negros, embora a parte dele pulando e cravando os aparatos do Erik com o Mjölnir tenha dado um efeito legal, foi tão insossa que o que deu cabo do vilão foi uma espaçonave cair em cima dele.
Porém o filme vale a pena sim. Apenas não foi mais do que o primeiro que ainda vejo como mais divertido e por incrível que pareça mais adequado a proposta. Porém teve cenas genias nesse filme atual como o Mjölnir atravessando o espaço em idas e vindas em busca de seu dono, o Loki transformando-se no Capitas (Chris Evans pagando de figurante avulso, haha, mas foi genial isso, tirando onda de um personagem que todos odeiam mesmo) e o foco em Asgard foram acertos do filme. Ver os personagens Thor e Loki novamente no foco das atenções também é algo que vale muito a pena, pois são heróis e vilões que muitas vezes misturam seus papeis. Thor é um cara durão e não hesita em fechar o Mjölnir na cara dos seus inimigos diferentemente de Batman, Super-Cueca e o Cuequinha-Verde. Ele desce a porrada quando o adversário é mal-intencionado. E Loki consegue atrair a torcida do público arrancando gritinhos sufocados em cenas de sua pseudo morte. Eu particularmente curto muito as histórias do Thor. Recomendo os roteiros de Walter Simonson, embora tenha a fatídica história do sapo. Enfim, vale a pena sim.
Então recomendo irem ver o filme e gritarem vibrando pelos heróis Marvel, só que não entendo porque a crítica se agradou tanto. Talvez seja a falta de filmes bons esse ano.

E o último detalhe que quero comentar: SPOILER TOTAL:
Thor abdica de ser rei e é revelado que Loki tomou a forma de Odin. É dele as palavras finais. Acaba, aparentemente, e sobem os créditos. Super curtos. Aparece a cena pós-crédito: Sif leva para o colecionador uma das gemas (plot para Thanos, certamente) para o Colecionador. Eles temem que possam ser reunidas. Escuro. Créditos sobem novamente e muita gente vai embora. E depois de alguns minutos entra a cena pós-pós-crédito. Sim, a Marvel fez isso. O Thor volta pra Terra e acontece o beijo da humana com o deus. E um dinossauro perdido por Midgard pra dar um tom cômico. Putaqueparél, a Marvel roubou o desfecho do filme de muita gente. É como pagar pra ver um filme sem final. Seja como for, achei engraçado. Não deixa de ser um presente para os fãs. Para soltarmos um sorriso triunfante no final da sessão. Valeu ser marveco.

Ah, olha como eram, e é, o uniforme do brucutu nos 3 filmes:

TOMA RUMO GURI!!
ps. Comprei um Mjölnir =Pp

Pankeka Show 01×05 – Comic-Con RS 2013

Bem amigos da rede Glob… Ops, discurso errado! =Pp

Shazammmmmm!! É com grande alegria que trago para vocês a 5ª edição do Pankeka Show, o videocast do Toma Rumo Guri. Nele vamos ver o que rolou de tri no maior evento de quadrinhos do RS… Mesmo sendo o único. Entrevistas com cosplayers que estavam pra lá de bem acabados, estandistas que eram mais fãs do que expositores e escritores malucos que mostram a opinião do que é escrever ficção fantástica em um Brasil cada vez mais crédulo. E pra fechar perguntamos o que é ser um herói em uma época que a nação só vê vilões. São 40 minutos de entretenimento (embora o gosto seja questionável =Pp), ou seja muitas horas de esforço para gravar, editar e rir pacas da edição, por isso primeiramente espero que se divirtam e de resto que valorizem o esforço de tentar trazer um site com conteúdo original aqui dos pampas para todo o Brasil…Taí o Pankeka Show:

Não esqueçam de seguir a page no Facebook clicando AQUI, nosso Twitter clicando AQUI,
podem comentar e mandar e-mails para tomarumoguri@gmail.com e quem
quiser bater um papo “talk nerd to me” pode me adicionar no Face AQUI. As redes estão meio desatualizadas, mas daremos um jeito nisso. E continuem acessando o TRG.

Então era isso! Fiquem bem, continuem acreditando nos quadrinhos e…

TOMA RUMO GURI!!

Trailer do Homem de Ferro 3

Depois de tanto marketing em cima e do absurdo trailer de um trailer saiu a verdadeira amostra de Homem de Ferro 3 (Iron-man3). Confere aí…

Bem… Eu achei o trailer um lixo, espero que o filme seja bem melhor. É a velha história… Parece que fizeram um Iron-man dark night… Pô, só eu que notei esse clima de catastrófico e despedida? =Pp

Toma Rumo Guri!!

Trailer dos Vingadores

Fiz questão de adiar em um dia o post mais esperado sobre a Marvel do ano. Sim, porque daí vocês teriam o melhor post de dia das crianças possível. Afinal quem visita esse blog – em sua maioria – são nerds que cresceram lendo gibis e que tal o filme do maior esquadrão heroístico de todos os tempos chupa DC. Sim, os Vingadores já estão se concretizando em sua versão hollywoodiana e por mais probabilidades de dar errado que possa acontecer meu lado infantil, aquele magrelo que lia revistinhas no quarto, torce e acredita que vai ser foda.
Vamos falar dele? Bora… Mas antes veja o trailer aí:

Viu? Pois bem, o trailer está muito bom, emocionante e nos incutindo (Existe esse termo?!) a vibrar e gritar o nome de cada um. Com exceção do Arqueiro que é totalmente avulso e nem devia estar no filme junto com a forçada pose de gostosa da Víuva-Negra pagando de mostrei minha bundinha na net agora mereço um take, de resto todos estão muito bem e até críveis. As personalidades acabam por tomar forma ao pouco o que é muito bom em filme de grupo onde vez ou outra se destaca apenas um. Não acho que o Capita vai ser o foco do filme, pelo peso do ator (e carisma) as coisas tendem a ir para o lado do ferroso. Inclusive taí uma boa aposta que poderiam centrar numa disputa de vaidades e liderança entre o Capitçao América e o Tony Stark, o que seria “du caramba”. Thor ainda não tá “solto”, mas tá fazendo suas poses e voando por aí. O Hulk, bem, continua sendo um ator diferente, huhu. Tá bacana, vamos aguardar mais fatos. Ah, não posso esquecer de citar o Loki que tá representando bem e o Nick Fury que eu espero que não queiram “aparecer” ele demais na telona. Continuo não querendo saber de enredo, nem nada… Mas é trailer, não tem spoilers, nem corta clima.

Na expectativa…

Toma Rumo Guri!!

Pornozao do Homem-Aranha.

Amigos nerds punheteiros.A saga do aracnídeo nova yorquino nas telonas não tem nem 10 anos e já fou reputada rebootada. Eu sinceramente não vejo com bons olhos o que tem aparecido pela internet e embora o Garfield realmente pareça mais com o Parker de resto não gostei do elenco, dos uniformes e de nada mais. Sei que posso (E eu até gostaria) que saísse um filme duca, mas não dá pra esperar da Fox o que a gente espera da Marvel, eles lançam filmes só pra não perderem os direitos do cinema. Enfim, o que mais me intrigou porém é que o filme deve sair somente para maiores de 18 anos visto que vai ter cenas de pornozão do teioso:

Haha, pô, Peter Parker… Tu já foste mais homem…

Então né…

Toma Rumo Guri!!

Animados. Literalmente.

A Marvel/Disney tá jogando pra tudo que é lado. Além dos filmes que trazem uma enxurrada de produtos e canecas, parece que a casa das idéias resolveu apostar em animes. Algo como Matrix e Supernatural que ganharam suas versões nipônicas (Sem esquecer Turma da Mônica, haha). O que pega é que não ficou muito legal. Homem de Ferro e Wolverine (Duas das sensações adolescentes) tentam embarcar na aura oriental, mas parecem ficar devendo. Ao meu ver quem vê um anime que tem destruição massiva de planetas não se contenta com um anime de uma traje de ferro sendo testado no monte Fuji. Mas fica aí a dica para quem gosta da coisa (Hmmm…)

Anime sem gritinho não é anime.

Toma Rumo Guri!!

TRG Reviews: THOR

THOR!!!!!! É com esse grito de guerra que na noite de 28 de abril fui assistir a pré-estréia de Thor 3D no cinema do Shopping Total. Uma de minhas mãos estava enlaçada a da minha namorada e a outra segurava uma revistinha da editora Abril do Thor. Tinha ouvido burburinhos que o filme era bom, mas evitei ler reviews alheios para não estragar a graça daquela sessão.  Sinceramente eu estava apreensivo quanto ao filme porque eliminando as exceções filmes de heróis tendem a ser sofriveis, além do desrespeito caracteristico aos fãs com mudanças dessa transição quadrinhos/filmes. Eramos todos convidados da Band, nenhum dinheiro foi gasto com exceção do vil metal aplicado nos combos pipoca/refri, caros como de costume. Pré-estréia é aquele velho chavão de fotos e discursos, mas ignorando esse fato que fez o filme começar 22h10 ao invés de 22h, vale comentar o ambiente encontrado nessa situação. Notei que tinha alguns fãs de quadrinhos, mas também tinha aqueles que mal sabiam direito o que iam assistir. Me chamou atenção um trio atrás da gente que comentavam de alguns filmes Marvel como Homem-Aranha e Homem de Ferro tecendo elogios para eles. Não teve como evitar se falar de HA3 e sua fase emo, eu sinceramente acho HA um filme para se ver numa sessão da Tarde e nada mais. Mas foi legal ver o povo debatendo o universo Marvel, sendo Marveletes de plantão ou apenas gostando de filmes do estilo. Foi-se há muito a época que apenas se tinha notícia do universo DC fazendo sucesso nas telinhas. Não tem como comentar que tinha um casal a nossa frente que creio tenham vindo direto de algum jogo (Arrisco do Inter) que estavam cheirando forte a bebida (O cara… Ela não) e deu pra ver que mal sabiam que filme iam ver. Deixando isso para trás e vestindo os óculos 3D podemos falar acerca do filme, pois a luz apagou e pré-estréia não tem trailer (uhuu!!)

O Filme

O filme começa no Novo México com uma cena introduzindo os personagens Jane Foster (Natália Portman – Uma física empenhada em fenomenos climáticos), sua irmã (Kat Dennings , Embuída do humor escrachado do filme) e um professor amigo de seu subentendido pai (Stellan Skarsgard, que serve como conselheiro e provavelmente deve voltar nos Vingadores). A cena inicial serve de contorno para contar a chegada de Thor a Midgard, a Terra. Porém essa parte passa batida e lembra mais o filme Twister com a Helen Hunt do que algum filme da Marvel. Aparece uma introdução também para a história dos asgardianos contada pelo próprio Odin aos seus dois filhos ainda crianças.  Então somos teletransportado para Asgard atual onde há de se elogiar o trabalho cenográfico e os efeitos visuais que diga-se de passagem são fenomenais. Ressalto o efeito da camêra que começa em baixo d’água e sobe até alcançar o castelo de Odin onde acontece a festa de coroação de Thor.
Chris Hemsworth encarna muito bem o papel do deus do trovão, porém nessas cenas iniciais não convence muito não. Não sei em que ordem foram gravadas as cenas, mas senti firmeza nele empunhando o Mjolnir a partir do momento em que ele pisa em Jotunheim, o reino de gelo. Na coroação do loirão bombado por Odin (Antony Hopkins que dispensa comentários de como fez bem o papel) alguns gigantes de gelo invadem o castelo de Odin atrás de uma relíquia de seu povo responsável por muita destruição no passado. Planos frustrados pelo segurança-mor de Asgard Thor emputece e resolve tirar satisfação mesmo indo contra o conselho panos-quentes de seu pai. E é aí que o filme começa pra valer e traz a cena que para mim é a melhor do filme, a batalha na terra dos gigantes de gelo. Querendo dar uma lição nos ousados gigantes que chegam a chamá-lo de “boneca” Thor parte para a briga com seus inseparáveis e muito leais amigos. Algo que eu comentei que teria que ter no filme antes de entrar na sala de exibição com minha garota, o orgulho de Thor, eu consegui enxergar nesse momento e não em cenas anteriores onde ele apenas chorava como um bebê que queria vingança. Sem se importar com o perigo que levava para seus amigos e seu reino alimentando a raiva dos homens de gelo Thor acertou em cheio o líder deles com seu martelo levando a melhor cena do filme. Na batalha Thor deixa claro seu orgulho ao então falar com uma pausa perfeita: Next? A batalha em terras geladas é muito boa e dispensa comentários além daquele de incentivo a assistir o filme, vale porém mencionar a parte do Thor girando seu martelo no chão fazendo voar esquifes de gelo por tudo que é parte e claro, a parte que Thor parte para o céu e volta… Ah, assista… é melhor. 😉 (Alias gostei do efeito do monstro correndo por baixo do gelo). Odin aparece para acabar com a desordem instaurada por seu filho e por seu comportamento rebelde e orgulhoso banindo-o de Asgard para a Terra conjurando a velha frase conhecida pelos marveletes de que quem for digno e empunhar o martelo, blablablá, terá o poder de Thor, arremessando o Mjolnir junto a Midgard.
Caindo na Terra o asgardiano é atropelado pela jovem Foster com quem desenvolve uma amizade embora as cenas dela se traduzem em fazer caretas taradas a cada vez que olha para o loiro musculoso. As cenas dos dois são bonitas, mas de onde nasceu tamanho interesse mútuo fica um pouco vago, abstrato. Nisso entra a SHIELD investigando o martelo, não antes de Stan Lee tentar puxá-lo – grande arroz de festa, huh? – e roubando os dados de pesquisa da cientista que começa a achar Thor um cara interessante. Thor aprende com seus novos amigos a humildade (Embora não seja tão explicito também como) e se preocupar com seus atos e como isso afetará os demais. Loki me deixou um pouco na dúvida se gostei ou não dele, o papel é muito bem interpretado, mas há algo faltando… Esse que fala a Thor que seu pai morreu e esse acredita na maior pureza, como se não estivesse acostumado com o sono de Odin. Aliás parabéns para o diretor que não rendeu as origens do quadrinho para o gosto ou entendimento popular mantendo-as e tentando fazer com que o público não leitor pudesse aos poucos entender essas partes mais obscuras a eles. Dr. Blake, seu alter-ego, só é citado como um ex-namorado que não se relacionava bem de Foster, embora alguns possam apontar isso como uma mudança radical gostei da postura do Kenneth Branagh e de sua coragem em tirá-lo da história centrando-a em Thor que em momento nenhum esquece quem é. Sinceramente não gosto muito do lado Blake se contraposto ao Thor e suas aventuras. A SHIELD tem alguns momentos legais como “tentando” impedir Thor de entrar no cerco ao seu martelo, o qual seguiu bem a risca os quadrinhos, pois Thor sem seus poderes equivale a um Capitão América. Fora essa cena a SHIELD praticamente serve para fazer comentários engraçados do Stark. Os fiéis e valorosos amigos de Thor partem rumo a Terra para buscá-lo de volta a Asgard e confrontar seu irmão psicótico Loki, que descobre ser adotado. Thor então passa pela prova de fogo ao dar sua vida pelos mortais a sua volta recuperando seu martelo Mjolnir e seus poderes. O resto é melhor você acompanhar no cinema para não perder a graça…

Considerações Finais:

Thor é um filme que vale muito a pena, segue a linha de bons filmes como Homem-de-Ferro e não cai em esteréotipos como o filme dos X-mens. Deixa a desejar um pouco por ter partes engraçadas demais e pouca batalhas. Todo primeiro filme tem um pouco disso, eu sei, mas a vontade era de ver mais um pouco Thor voando pelos céus e chutando alguns traseiros gelados a mais. Nem mesmo a cena final tem uma batalha em si onde (Tentar não estragar o final, gente) lembrou muito o desfecho de Superman Returns onde ele teve que fazer uma força colossal pra destruir um (O que era mesmo? Tanto tempo) enorme pedaço de rocha. Mas tudo bem, nada disso estraga o grande filme que Thor é e até porque as piadas são boas (Tá, algumas nem tanto) e leva a platéia abaixo em risadas, isso atrai o público descompromissado, mas para os fãs (Pelo menos eu acho) foi um pouquinho demais a patetada. Com um belo elenco (Não citei Heimdal, mas muito bem interpretado com sua voz impostada e sua armadura a la Aldebaran de touro), uma bela produção e uma bela direção do Kenneth Branagh (Tanto faz ser shakesperiano ou não, pô) Thor vale cada centavo investido. Na minha opinião o melhor filme da marvel ainda mais se pensarmos que é o primeiro, aquele que conta origens e blablablá. Ah, só o 3D que não impressiona, funciona efetivamente em poucas cenas como a de neve caindo ou para dar aquele efeito de primeira pessoa com os outros no fundo. Falando no diretor, ele abusou algumas cenas de velhos chavões, mas ele conseguiu fazer ficarem bons como quando Thor sem poder algum vai enfrentar o robô gigante cujo nome não lembro e aparece seus amigos lá atrás só olhando. Foi muito histórinha de super-herói, mas hey, é isso mesmo, não?
Assista Thor e tire suas conclusões. Vale ficar até o fim para a já habitual cena bônus. Quando assisti pela segunda vez cortaram ela, não deixem que o façam, vale a pena inclusive pela trilha do Foo Fighters, Walk.
Eras isso, aguardo com ansiosidade os Vingadores, mas confesso que me empolguei e to de olho já é na sequencia desse filmão. Que venha Thor 2!!

Ps. Sif muito mais linda que Jane Foster. =x

Toma Rumo Guri!!

Bônus Track:

Para você que esperou ansiosamente os créditos u.u trago-vos algumas coisas a mais:

Detalhe: Vejam vocês como os cinemas tão nem aí para os filmes que exibem, além de alguns shoppings tipo o Strip não passarem a cena final ainda nem se dão o trabalho de pesquisar:

Sinopse Arcoplex:

Thor (Chris Hemsworth) é um poderoso guerreiro cujas ações imprudentes faz reacender uma guerra antiga. Thor é enviado à Terra por seu pai Odin (Anthony Hopkins) e é forçado a viver entre os humanos. Um jovem bela cientista, Jane Foster (Natalie Portman), tem um efeito profundo sobre Thor, já que ela finalmente se torna seu primeiro amor. É aqui na Terra que Thor aprende o que é preciso para ser um verdadeiro herói, quando o vilão mais perigoso de seu mundo envia as forças mais sombrias de Asgard para invadir a Terra.
Sinopse Arco-íris:
Asgard. Após se desentender com Odin (Anthony Hopkins), Thor (Chris Hemsworth) é enviado para a Terra. Desmemoriado, ele leva uma vida como se fosse um homem comum. Logo ele conhece Jane Foster (Natalie Portman), por quem se apaixona. Só que a morte de Odin faz com que o reino de Asgard fique nas mãos de Loki (Tom Hiddleston), o irmão de Thor. Querendo eliminar o irmão, uma ameaça constante ao seu poder, Loki elabora um plano para atacá-lo na Terra.

WTF?!

Posters:

Vídeo de entrevista do @mausaldanha com quem esteve na pré-estréia, inclusive quem vos escreve:

Foto infame minha segurando o Mjolnir há alguns anos atrás, mostrando que sou digno para empunhá-lo. u.u

Eras isso… Só faltou dizer que amo ter uma namorada nerdizinha, que aliás gostou muito do filme. =)